Blog de Ciência

Laboratório

 

Menos futebol, mais ciência?

Uma enquete realizada pelo MCT (Ministério de Ciência e Tecnologia) levantou um dado curioso: os brasileiros dizem gostar mais de ciência e tecnologia do que de esportes (vejam matéria minha sobre o tema aqui).

 

A pesquisa foi feita em todo ao país, com diferentes classes econômicas, faixas etárias, sexo e outras variáveis. Do total de 2.016 respondentes, 65% disseram que se interessam ou se interessam muito por “ciência e tecnologia” (bem mais do que os 41% da mesmo pesquisa realizada em 2006), enquanto 62% tiveram a mesma resposta para o tema “esportes”.

 

Isso é possível no país do futebol?

 

Sim. Explico: ciência e tecnologia são temas que agradam muita gente, mesmo que boa parte das pessoas não entenda do tema.

 

A pesquisa do MCT viu, por exemplo, que só 12% das pessoas conseguem dizer o nome de um cientista ou 18% dizem o nome de uma instituição de pesquisa (como uma universidade). Esse número certamente seria muito diferente caso a pergunta fosse sobre o nome de um time ou de um jogador de futebol. Ou seja: as pessoas não conhecem a ciência brasileira, como conhecem esportes. Mas gostam dela.

 

Alguns especialistas dizem que, nesse tipo de pesquisa, muita gente quer agradar o entrevistador e, por isso, acaba respondendo mais o que soa “bonito” do que o que a pessoa realmente pensa. Exemplo disso é Bogotá, a capital iberoamericana com maior índice de interesse revelado em ciência e tecnologia. Lá,  89% dos respondentes revelaram se interessar ou se interessar muito pelo tema.

 

Outra hipótese é que o tema “ciência” seja simpático às pessoas. Mesmo sem entender, mesmo sem ir a museus de ciência (talvez porque não tenha nenhum por perto), as pessoas gostam de saber sobre ciência. E prestam atenção quando o tema aparece na mídia – especialmente na TV. 

 

Já o tema “esportes”, que é definitivamente uma paixão nacional, pode não ter um interesse tão generalizado. Isso porque as pessoas mais velhas e também mulheres se dizem menos interessadas pelo assunto. E aí a porcentagem geral cai.

 

Mas, independente da discussão de quem ganha na briga esportes X ciência, a pesquisa do MCT levantou outro dado bacana: 46% das pessoas se dizem satisfeitas com o conteúdo de ciência veiculado nos jornais. E de quem está insatisfeito, 74% reclama que existe pouca ciência na imprensa.

 

Se esse estudo for um termômetro real da nova sociedade brasileira – com mais com acesso à educação e a condições melhores de vida – talvez esse seja um sinal de que a ciência ainda deve ganhar mais espaço no Brasil nos próximos anos. E isso será lindo.

Escrito por Sabine Righetti às 14h46

Comentários () | Enviar por e-mail | PermalinkPermalink #

Ver mensagens anteriores

PERFIL

Reinaldo José Lopes Reinaldo José Lopes, 31, é editor do caderno "Ciência" da Folha. Formado em jornalismo pela USP, tem mestrado e cursa doutorado em língua e literatura inglesa.

Giuliana Miranda Giuliana Miranda, 23, é formada em Jornalismo pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Rafael Garcia Rafael Garcia, 36, é colaborador da Folha em Washington (EUA).

Sabine Righetti Sabine Righetti, 30, é especialista em jornalismo científico pela Unicamp, mestre e doutoranda em política científica.

SITES RELACIONADOS

RSS

BUSCA NO BLOG


ARQUIVO


Ver mensagens anteriores
 

Copyright Folha.com. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folha.com.